Agência de Notícias SECOM

Dia do DNA: a importância da genética forense na Polícia Científica

Foto: Divulgação PCI

O Dia Internacional do DNA é celebrado em 25 de abril, marcando o aniversário da descoberta da estrutura do ácido desoxirribonucleico (DNA) em 1953. Nesse marco histórico, os cientistas James Watson, Rosalind Franklin e Francis Crick elucidaram que o DNA é formado por uma estrutura tridimensional de dupla hélice. Essa molécula é essencial e contém informações genéticas responsáveis pelo desenvolvimento e funcionamento dos organismos.

No cenário da investigação criminal, o DNA se tornou uma ferramenta fundamental para a perícia. Junto com outras técnicas como a papiloscopia, o exame de DNA desempenha um papel essencial na determinação da autoria em casos criminais. Além disso, a genética forense, que abrange diversas áreas do conhecimento humano, desempenha função significativa na resolução de casos complexos.

“A Polícia Científica de Santa Catarina pericia a cada ano milhares de materiais genéticos, elucidando casos e fazendo justiça. Neste dia mundial do DNA, eu parabenizo a cada perito oficial e a cada agente da PCI envolvido desde a localização e coleta de vestígios em locais de crimes e em vítimas, até o processamento desses vestígios na nossa Divisão de Genética Forense e no nosso Banco de Perfis Genéticos. Cada análise de DNA é uma busca pela verdade de modo imparcial e essa é mais uma poderosa ferramenta forense usada pela PCI e que reafirma nosso compromisso em aplicar a ciência em favor da justiça e da cidadania”, afirmou a perita-geral Andressa Boer Fronza.

O DNA é amplamente utilizado para verificar se o material genético encontrado em uma cena de crime é compatível com o de uma pessoa suspeita. Isso não apenas ajuda a determinar a autoria do crime, mas também contribui para a identificação de possíveis vítimas, fornecendo uma ferramenta precisa para a investigação criminal.

Além da identificação de autores de crimes, a genética forense é empregada em casos de vínculo biológico criminal. Isso inclui situações em que é necessário, por exemplo, determinar se um indivíduo é o genitor de uma criança nascida de violência sexual. A aplicação ética e legal desses exames é fundamental para garantir a justiça e a proteção dos direitos das vítimas.

“Com a descoberta do DNA e os avanços na área de genética e biologia molecular, diversas aplicações para análise do DNA surgiram, desde o diagnóstico de doenças até a perícia criminal. Na polícia científica, o DNA é utilizado para a identificação de pessoas, sejam desaparecidas ou vítimas, para estabelecer vínculos biológicos entre pessoas e também para correlacionar vestígios com possíveis autores, auxiliando a justiça na definição de autoria de crimes”, explicou a Chefe da Divisão de Bioquímica Forense, Wladiana Lendengues.

Uma das características distintivas da genética forense é sua sólida fundamentação teórica e metodológica. Os princípios científicos por trás dos exames de DNA são robustos, e as metodologias são padronizadas internacionalmente e nacionalmente. Além disso, a constante revisão e atualização das interpretações e parâmetros garantem a precisão e a confiabilidade dos resultados.

Avatar
Escrito por:

Polícia Científica

Assessoria de comunicação da Polícia Científica de Santa Catarina

Ver todos os posts

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support