Portal de Noticias

  1. Início
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Segurança Pública
  6. /
  7. Mulheres provam competência no...

Mulheres provam competência no trabalho realizado na Polícia Militar de SC

Os 30 anos da Polícia Militar Feminina de Santa Catarina foram comemorados em uma solenidade que reuniu autoridades e membros da corporação em uma solenidade no Teatro Pedro Ivo Campos, em Florianópolis, nesta terça-feira, 25.  O governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira, o secretário de Estado da Segurança Pública, Cesar Grubba, e a secretária Ada de Luca, da Justiça e Cidadania, também participaram do evento que homenageou não só as mulheres policiais, mas outros parceiros e idealizadores da polícia feminina catarinense. O reconhecimento se deu por meio da entrega de medalha comemorativa alusiva as três décadas de trabalho da PM feminina.

Foto: James Tavares/Secom

Entre os agraciados estava o coronel Sidney Pacheco, que em 1983 implantou a polícia feminina em Santa Catarina, na época, segundo ele, sob a crítica de muitos companheiros. Enquanto discursava, o coronel já aposentado, contou que da percepção da importância da participação das mulheres na rotina dos quartéis à efetivação da conquista delas deste posto de trabalho, enfrentou muitos questionamentos, relacionados, principalmente à segurança e preparo das mulheres para a função. “Mesmo assim eu preferia a vergonha de não conseguir do que a de não ter ao menos tentado. Felizmente deu certo. Em pouco tempo havíamos formado uma turma de 31 sargentos e logo depois, três oficiais na carreira de policial militar em Santa Catarina”, relembrou o fundador da Polícia Militar Feminina do Estado.

Ainda segundo o coronel Sidney Pacheco, contrariando os que tinham dúvidas do desempenho das mulheres frente às situações de perigo, logo após a criação da PM feminina, duas policiais militares foram “manchete de jornal” ao capturarem e prenderem um assaltante durante uma ocorrência registrada na rua Conselheiro Mafra, no centro de Florianópolis. “A partir desse momento tive a certeza de que as mulheres tinham perfeitas condições de ocupar um espaço, até então, conquistado por homens” destacou.

A tenente coronel Tercia Maria Ferreira da Cruz é um exemplo da força feminina na Polícia Militar do Estado. Ela conta que se sente, acima de tudo, feliz por exercer um papel tão próximo do cotidiano das pessoas. Hoje a policial ocupa um dos postos mais altos da carreira militar e descobriu a vocação por acaso – era acadêmica de administração quando, em uma das aulas, ocorreu a divulgação sobre o trabalho militar para mulheres. Foi a partir daí que ela decidiu fazer parte da corporação. “A sociedade entende e respeita o nosso trabalho sem nenhum preconceito. Somos merecedoras e preparadas para exercer nossa função da melhor maneira possível”, afirmou a policial que sonha chegar ao posto de coronel.

Maria Quitéria de Jesus: Pioneirismo feminino em manifestações militares
Na solenidade de comemoração dos 30 anos da Polícia Militar Feminina de Santa Catarina, o secretário de Estado da Segurança Pública, Cesar Grubba, fez um contexto histórico da participação de mulheres em manifestações militares. Ele citou Maria Quitéria de Jesus, militar brasileira heroína da Guerra da Independência, por volta de 1822. Maria Quitéria era noiva quando teriam começado, na Província da Bahia, as agitações contra o domínio de Portugal. Maria Quitéria teve negado pelo pai o pedido para se alistar, foi quando fugiu de casa, cortou os cabelos, se vestiu como homem e conseguiu se alistar com o nome de Medeiros, no Regime de Artilharia, onde ficou até ser descoberta pelo pai, semanas depois.

Maria Quitéria tinha habilidades como o manejo das armas e reconhecida disciplina militar. Por estes motivos foi incorporada ao Batalhão dos Voluntários do Príncipe, onde se destacou em diversos combates. No de Pituba fez vários prisioneiros e chegou a escoltá-los, sozinha, ao acampamento. Quando o “Exército Libertador” voltou a Salvador, Maria Quitéria foi recebida com homenagens e festa pela população. Pelos atos de bravura, o governo da Província deu a ela o direito de portar espada, na condição de Cadete.

Informações adicionais
Francieli Dalpiaz
Secretaria de Estado de Comunicação
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 8843-5676

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support